Como estimular o interesse pelas ciências

31 de agosto de 2023 | Educação Infantil, Fundamental 1

– Por que o céu é azul? Como funciona o Wi-Fi? Faz mal tomar banho depois de comer? Em vidros molhados, por que algumas partes parecem mais molhadas que outras? 

Nos primeiros anos de vida, nossa vontade por saber e nossa curiosidade estão mais aguçadas. Por isso, é fundamental aproveitar esse momento para desenvolver as ferramentas que nos ajudarão a compreender o mundo e que nos acompanharão por toda a vida. Uma das mais importantes é o pensamento científico. 

Embora o pensamento científico esteja ligado mais diretamente ao mundo natural, biologia, física e química, promover esse pensamento é desenvolver competências que serão importantes, seja para compreender o mundo à nossa volta, seja para resolver problemas complexos ou mesmo cotidianos. No pensamento científico são valorizados o questionamento, a organização de ideias, a capacidade de exploração e a revisão de pensamentos. 

Fazem parte dessas competências: 

– Formular hipóteses a partir da observação; 

– Relacionar ideias diferentes e criar formas novas para resolver problemas; 

– Elaborar planos de investigação; 

– Lidar com erros e resultados inesperados; 

– Questionar de maneira coerente ideias existentes; 

– Interpretar dados e informações, reconhecendo inconsistências; 

– Saber colocar ideias em prática e compartilhar seus conhecimentos. 

A família também tem seu papel! 

Se a escola deve promover um ambiente estruturado e intencional de desenvolvimento do pensamento científico e aquisição de competências investigativas, também há muito o que a família pode fazer para incentivar essa forma de pensar nas crianças e adolescentes. 

Assim como acontece na maioria das vezes na educação, o exemplo da família é fundamental. Uma boa oportunidade de ver esses exemplos são as viagens. Além dos momentos de descanso e lazer, elas são vistas como oportunidades para um olhar atento sobre os diferentes costumes? A família incentiva a reflexão sobre o próprio modo de vida ou de sua comunidade a partir das descobertas feitas nas viagens? São atitudes que estimulam um olhar mais científico e crítico do mundo. 

Algumas dicas: 

– Aguçar a curiosidade: valorizar as dúvidas e vontade de saber; 

– Valorizar as pequenas descobertas dos filhos; 

– Dar o exemplo, mostrando-se com vontade de aprender sempre; 

– Lançar desafios apropriados para cada idade: ajudar a encontrar novos e crescentes desafios; 

– Colocar-se como parceiro da busca por conhecimento; 

– Valorizar o protagonismo dos filhos, ainda que em atividades simples, como cozinhar ou cuidar do jardim, que trazem oportunidades de conhecimento científico; 

– Lidar com tecnologia também pode ser um lugar de protagonismo para os mais novos. Incentive-os a mostrarem seus conhecimentos ajudando os mais velhos. 

Em resumo: 

– O pensamento científico nos ajuda a compreender o mundo à nossa volta e a resolver problemas complexos ou cotidianos; 

– A escola deve promover um ambiente estruturado e intencional de desenvolvimento do pensamento científico e aquisição de competências investigativas; 

– Há muito o que a família pode fazer para incentivar essa forma de pensar nas crianças e adolescentes. 

O Post não tem posts relacionados no momento

Receba notícias sobre a CEB. Inscreva-se

Entre em contato pelo WhatsAppÍcone do Whatsapp
Entre em contato pelo WhatsApp
Ícone do Whatsapp