Educação Infantil: a descoberta de um mundo novo 

14 de março de 2023 | Educação Infantil, Volta às aulas

Ele está diferente depois que foi para a escola. Esse é o papel da educação infantil.

É comum ouvir um comentário como esse quando conversamos com famílias que acabaram de colocar seus filhos na escola. Geralmente há uma mudança notável. Imagine como seria para um adulto uma mudança equivalente à que a criança experimenta ao sair de uma vida quase exclusivamente em casa para a vida escolar. 

A criança, antes de ir para a escola, vive em um ambiente normalmente composto por alguns brinquedos que ela usa sozinha, a presença de um adulto, em geral um parente ou uma cuidadora, e uma rotina voltada às suas vontades e necessidades. 

Ao chegar na escola, a criança se depara com pessoas da idade dela. Elas existem! Em vez de somente um adulto, há vários. E tão diferentes! Eles vêm e vão ao longo do dia, sempre atenciosos. Um chega com um brinquedo, outro traz alguma coisa para comer, outro organiza uma brincadeira com outras crianças. O dia passa assim, com tantas atividades, que é difícil lembrar de tudo o que aconteceu.  

colegas de classe brincando
A relação entre colegas muda a perspectiva infantil

Aprendizados imprevisíveis 

Essa é uma fase rica de aprendizado, muito rica mesmo. Além da qualidade de interações e estímulos, a diversidade faz diferença. A vida coletiva traz inúmeras oportunidades de aprendizados, muitas vezes imprevisíveis. São desafios que não poderiam acontecer em ambientes sem outras crianças: negociar pela posse de um brinquedo ou esperar a vez para ser atendido por um adulto são importantes desafios emocionais que fortalecem a criança.  

Modelos de ação 

Grande parte do aprendizado das crianças vem da observação que fazem das ações de terceiros. Somente na vida coletiva, especialmente na escola, aprendem modelos de ação em interação com outras pessoas. 

Nesse contexto, os educadores na Educação Infantil têm múltiplas funções: promotores de situações de aprendizado, estimuladores de interações entre as crianças e avaliação do desenvolvimento de cada um, por exemplo.  

Num ambiente coletivo, os educadores ajudam as crianças a identificar e nomear seus sentimentos. Amenizar aqueles que não são desejáveis e amplificar os bons, como gratidão, por exemplo. Podem ainda exercer o papel de uma espécie de grilo falante: “diz pro seu amigo que a mordida está doendo” ou “diz pro seu amigo que você se arrepende do que fez” são exemplos de intervenções que ajudam as crianças a conviverem mais harmoniosamente.  

O desenvolvimento da fala também é amplamente potencializado quando as crianças convivem com outras crianças e com pessoas de diferentes idades e relacionamentos. Nessa dinâmica são incentivadas a se expressar e a ocupar seu lugar no mundo. 

Qual experiência vivida por um adulto poderia se comparar a essa que a criança tem quando chega na escola pela primeira vez? A mudança para um outro país? Talvez, novos costumes e a convivência com estranhos. Mas talvez ainda não seja tão profunda como a que passa a criança quando amplia seu horizonte do conforto da casa para as oportunidades do espaço coletivo da escola. 

Em resumo: 

  • A Educação Infantil, entre 0 e 6 anos, é uma fase rica de aprendizado. Além da qualidade de interações e estímulos, a quantidade faz diferença; 
  • A vida coletiva traz inúmeras oportunidades de aprendizados, muitas vezes imprevisíveis; 
  • Grande parte do aprendizado das crianças vem da observação que fazem das ações de terceiros; 
  • Os educadores na Educação Infantil têm múltiplas funções: promotores de situações de aprendizado, estimuladores de interações entre as crianças e avaliação do desenvolvimento de cada um, por exemplo; 
  • Qual experiência vivida por um adulto poderia se comparar a essa que a criança tem quando chega na escola pela primeira vez? 

O Post não tem posts relacionados no momento

Receba notícias sobre a CEB. Inscreva-se

Entre em contato pelo WhatsAppÍcone do Whatsapp
Entre em contato pelo WhatsApp
Ícone do Whatsapp