Mudar de escola no meio do ano letivo não é uma tarefa fácil 

18 de julho de 2023 | Educação Infantil, Fundamental 1, Fundamental 2

_ Mãe, quero mudar de escola. 

_ Por quê? 

_ Eu não gosto dela. 

_ E isso lá é motivo? 

Talvez não seja motivo, mas, sim, é um sinal de que a família deve estar atenta para o que pode estar acontecendo. Problemas de relacionamento com colegas? Dificuldade com algum professor? Desmotivação para estudar? Pensar nessas razões é fundamental antes de se tomar uma decisão, pois não queremos passar para nossos filhos a mensagem de que frente aos desafios temos saídas mais fáceis do que enfrentá-los. É preciso oferecer escuta atenta e ponderada para tudo que os filhos sentem e verbalizam e fazer, em parceria com a escola, um acompanhamento cuidadoso. Insistir na mesma escola até o final do ano poderá trazer aprendizado e fortalecimento. 

Claro, há motivos de outras naturezas, como mudança de cidade ou questões financeiras, por exemplo. Assim, se for realmente necessária essa mudança, nosso papel é torná-la uma oportunidade para um recomeço produtivo. 

Mudar de escola, especialmente no meio do ano, é um movimento delicado, que traz os desafios da escolha, dos rompimentos com a comunidade escolar anterior e da readaptação à nova realidade. 

O primeiro passo é fazer uma avaliação bastante atenta da escola atual de seu filho: a metodologia de ensino está adequada a ele? Quais são os pontos fracos dela e, principalmente, quais são as características das quais você não abre mão na nova escola? Nessa avaliação, devem ser levados em conta os professores, a proposta pedagógica, a forma da instituição lidar com problemas cotidianos, intervenções educacionais, relações com colegas e outras famílias, parceria entre escola e família, além da estrutura e localização.  

Somente com essas respostas bem claras em mente, podemos fazer uma escolha criteriosa.   

Dicas 

– Apoiar e ficar atento às reações de seu filho, tanto em relação às matérias quanto às novas relações pessoais, seja com professores ou colegas; 

– Levar seu filho para conhecer a escola antes do início das aulas. Uma atitude simples como essa poderá ajudá-lo muito nos primeiros dias de aula; 

– A presença da família na vida escolar dos filhos é muito importante, e deve ser ainda maior nos primeiros meses da nova escola; 

– Ser parceiro do filho na descoberta de novas oportunidades de aprendizado e convivência; 

– Fazer uma comparação entre os conteúdos já estudados por seu filho e aqueles já vistos na nova escola. – Veja se há um planejamento para suprir as lacunas no currículo de seu filho e apoiá-lo nas dificuldades de aprendizado. 

Em resumo 

– Não devemos mudar de escola sem um (ou mais) bom motivo. Não queremos passar para nossos filhos a ideia de que frente aos desafios temos saídas mais fáceis do que enfrentá-los; 

– O primeiro passo é fazer uma avaliação bastante atenta da escola atual para vermos o que deve mudar ou permanecer o mesmo; 

– Na medida do possível, nosso filho deve estar no centro das decisões envolvendo essa mudança; 

– Seja ainda mais parceiro de seu filho, especialmente nos primeiros meses da nova vida escolar. 

O Post não tem posts relacionados no momento

Receba notícias sobre a CEB. Inscreva-se

Entre em contato pelo WhatsAppÍcone do Whatsapp
Entre em contato pelo WhatsApp
Ícone do Whatsapp