Socialização: o primeiro desafio das famílias 

13 de fevereiro de 2023 | Educação Infantil, Fundamental 1, Fundamental 2

“O homem é o homem e a sua circunstância” 
José Ortega y Gasset (1883 – 1955)  

Para o filósofo espanhol José Ortega y Gasset, não podemos considerar o ser humano sem levar em conta aquilo que o circunda. Ele é, ao mesmo tempo, produtor e produto de seu meio.  

Assim, família e escola têm papel central em sua formação na medida em que apresentam e organizam o entorno das crianças. 

Quando somos crianças, tudo o que vemos é o mundo apresentado pelos adultos. Como nesse momento de nossas vidas ainda estamos longe de ter uma consciência autônoma, consumimos o mundo praticamente sem filtro. Daí as marcas profundas desse aprendizado inicial. Então, escolher esse entorno, seja escola ou outros ambientes de convivência, é o principal desafio das famílias nos anos iniciais dos filhos. 

Primeira grande escolha 

Na escola acontece grande parte do desenvolvimento das crianças, seja no campo dos conhecimentos formais, seja no desenvolvimento dos valores morais e de autoconhecimento. Mais do que isso, a comunidade escolar é um local de desenvolvimento das próprias famílias, que acontece nas trocas com educadores e com outras famílias. 

A escola cria situações cotidianas de aprendizados e ambientes em que acontecem e são resolvidos problemas, além de proporcionar as interações entre colegas e educadores, formando laços afetivos, de trabalho e estudo. Alguns deles durarão muitos anos, indo para além dos tempos escolares.  

Nesse sentido, uma escola que proporcione um ambiente diverso e rico em experiências é fundamental. O potencial de cada um poderá desenvolver-se somente à medida que encontra campo para isso. A quantidade de experiências conta, pois somente saberemos quais são os talentos mais naturais, quais são as vocações com maiores potenciais, quando proporcionarmos possibilidades diversas aos jovens e crianças.    

Socializar-se 

Podemos pensar em socializar-se como fazer parte, transformar-se a partir do território que ocupa e das pessoas com quem interage, mas é também transformar. O próprio filósofo espanhol afirma que como somos tão imbricados em nossa circunstância, somente podemos nos salvar, salvando-a.  

Cada um é um 

Mesmo quando escolhemos o entorno, não temos controle sobre o que nossos filhos aprendem a partir de uma dada experiência. Famílias com mais de um filho sabem bem disso. Mesmo com uma criação muito parecida, é comum formarem-se pessoas muito diferentes. Assim, como não podemos controlar de que forma nossos filhos interagem com o mundo, talvez nosso principal trabalho passe por participar da escolha dos cenários em que eles irão atuar, estar atentos para mediar e ajudá-los, da melhor maneira possível, com suas dúvidas e inseguranças. 

Em resumo 

  • O sujeito é, ao mesmo tempo, produtor e produto de seu meio; 
  • Escolher esse meio, seja escola ou outros ambientes de convivência, é o principal desafio das famílias nos anos iniciais dos filhos; 
  • Mesmo quando escolhemos o entorno, não temos controle sobre o que nossos filhos aprendem a partir de uma dada experiência; 
  • Uma escola que proporcione um ambiente diverso e rico em experiências é fundamental; 
  • Podemos pensar em socializar-se como fazer parte, transformar-se a partir do território que ocupa e das pessoas com quem interage, mas é também transformar essa circunstância; 
  • Como somos tão imbricados em nossa circunstância, somente podemos nos salvar, salvando-a; 
  • Talvez o principal trabalho das famílias passe por participar da escolha dos cenários em que os filhos irão atuar e estar atentas para ajudá-los, da melhor maneira possível. 

Receba notícias sobre a CEB. Inscreva-se

Entre em contato pelo WhatsAppÍcone do Whatsapp
Entre em contato pelo WhatsApp
Ícone do Whatsapp